sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Simples assim



       Estávamos, eu e minha neta, há quase uma esquina para chegarmos à praça. Aliás, não falei ainda dessa praça que fica no centro do bairro em que moro. Praça de subúrbio abandonado, onde a própria população vai  ajeitando e encontrando a forma de convivência com as tristezas, ausências, misérias e mazelas locais. 
     Há uns anos atrás, um modesto quiosque de venda de plantas instalou-se numa das arestas arredondadas da praça, que tem a forma de um triângulo retângulo, mas com suas quinas  arredondadas, uma mais do que as outras duas. E foi como se um minúsculo coração começasse a pulsar naquele canto: a sujeira diminuiu (afinal, os donos do quiosque passaram a varrer aquela parte) e até o cheiro de urina (dos passantes noturnos) pareceu diminuir. Ficamos assim por um bom tempo: preferindo, é claro, olhar somente para esse canto da praça. Do lado oposto ao quiosque, rente ao meio-fio, forma-se uma fila de táxis amarelos com faixas azuis - que raramente ligam seus relógios para alguma corrida: de um modo geral, o preço é dado no tiro, ou seja, combinado (de palavra, antes do embarque, ou assustado, ao fim da corrida!). Na quina localizada do mesmo lado que o quiosque, só que na outra extremidade da praça, fica uma espécie de "ponto" de frete: umas Kombis caindo aos pedaços, com seus motoristas barrigudos e praticamente ociosos, que ficam ali, na paquera de algum necessitado de um carreto pelas redondezas (que se submeta ao risco de um tétano naquelas ferragens ou um "já-começa" contraído na sujeira de seus estofados rasgados e de molas saltando).
     Mas a praça, atualmente, está mais bonita. O quiosque fez o milagre da multiplicação: foi espalhando vasos de coqueiros e outras espécies que não sei o nome, por quase metade da praça dando-lhe um outro astral! E, ao fim da tarde, lá pelas cinco, cinco e meia, entrando no lusco-fusco da noite que se anuncia, surge, não se sabe de onde (eu pelo menos não descobri, ainda!) um monte de mesas e cadeiras de bar que completa os vazios que as plantas não ocuparam. E aquelas mesas se enchem de gente que vem do trabalho, que marca encontros, que joga conversa fora, que ouve músicas de gosto variado, que bebe cerveja, cachaça, refrigerante, vinho, degusta salgadinhos, hambúrgueres, churrasquinho, fuma, paquera, discute, ferve, vive, esquece, adormece, sobrevive.
       Voltava com minha neta de quase nove anos por volta dessa hora (e, confesso, sinto-me segura por ali, naquele burburinho, naquele chega-chega de gente).  Atravessei a rua e entrei na praça passando pelo ponto dos fretes. Mais três, quatro passos e quase esbarrei em uma churrasqueira sendo improvisada e um cheiro de tempero avinagrado entrando em minhas narinas junto com o cheiro do carvão queimando. Sou boa de cheiros. Mesmo tendo fumado feito uma caipora por tantos anos! Esther me perguntou alguma coisa que não entendi. Fiz cara de tartaruga: encolhi os ombros, mas estiquei a cabeça (deu pra entender a tartaruga?).
       - Hã? O que, minha querida? Não entendi...
       - Vó, o que é c***lho?
   Preciso dizer que quase engasguei? Minha cabeçorra rodou! Como explicar o que é c***lho para uma menina  que é filha de uma mulher que só após os vinte anos, e bordoada, disse seu primeiro merda???? Ah, mas minha neta tinha perguntado pra mim, né não? Então eu tinha que responder e sem nhém-nhém-nhém! Para ganhar tempo, perguntei:
       - O que você disse mesmo, Esther? Repete.
       - Eu quero saber o que é c***lho, vó!
      - Ah, c***lho? Onde é que você escutou esta palavra? (Ainda ganhava tempo, claro!).
       - Ali, quando a gente passou na esquina... um homem tava falando pro outro...
       Olhei para trás, para a tal esquina, como se fosse ver o dito cujo parado, rindo pra mim. Não o tal homem que falara o tal nome, mas o próprio dono do nome! Rsssssssssssssssss
      - Bem, querida, vamos ver... c***lho... é o piruzinho, o pintinho, o bigulim dos meninos! Que, aliás, você já aprendeu que o nome correto é pênis, né?
       - E por que as pessoas falam assim?
      - Ah, é um nome mais esculhambado sabe? Na verdade, quando eles falam assim nem estão pensando no pintinho, eles falam pra expressar uma raiva ou pra brincar, mexer com alguém e deixar essa pessoa sem graça! É o tal do palavrão que se diz! Que não é bonito de dizer e muito menos uma coisa educada de falar, mas vou confessar uma coisinha pra você: às vezes eu falo um palavrãozinho...
        Bom, aqui, fui interrompida:
       - É, vovó, eu já havia percebido... - e deu um sorriso doce e compreensivo, aquela coisa de cúmplices.
     Respirei aliviada: missão cumprida, saíra-me bem!
       - E o que é p*rra, vó?
     O quê? Ainda não acabara? Eu pensando que tinha me safado, pensando que explicar c***lho havia sido difícil, mas agora estava era f***da! Valei-me! Ah, quer saber? Como diz meu marido: "O que é um pum pra quem já fez cocô nas calças?":
      - Esther, p*rra é o que sai do c***lho!
      Simples assim. Líquida e certa.
      - Xixi, vó? - A cara dela nesse momento fez-me sentir uma boboca! Parecia que eu dissera a coisa mais estapafúrdia do mundo!
      Respirei profundamente:
    - Não, meu amorzinho, não é xixi. Olha só, da totoquinha (é, minha filha ensinou à filha que a vagina é vagina, mas na intimidade é totoquinha) sai o xixi, mas também sai a menstruação, não é?
      Sei que ela sabe disso por ter, desde novinha, visto as trocas de absorventes da mãe.
      Ela assentiu com a cabeça, fazendo balançar aqueles lindos cabelos castanhos que possui.
     - Então é isso: da totoquinha sai xixi e menstruação e do piupiu sai xixi  e p*rra! Aliás, o nome certo da p*rra é esperma e é no esperma que estão as sementinhas do pai que vão se juntar com as sementinhas da mãe para fazerem os bebês! Certo? Entendeu?
      - Claro, vó! Mas é palavrão, né?
      - É, é palavrão, querida, não se deve falar, mas, às vezes, escapole!
      Então, como criança quando está com suas curiosidades satisfeitas muda de assunto, foi o que ela fez!
      - Vó, a gente já está chegando em casa, dá pra parar na padaria e comprar um sorvetinho?

Cléa Siqueira

33 comentários:

  1. Jesus (para combater os palavrões....kkkk), que saia justa, aliás, justíssissima!!!
    Você se saiu super bem, mas que não é fácil, isso não é mesmo.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maristelinha querida!

      Não é mesmo? Só Jesus para combater os palavrões! Rsssssssssssssssssss O pior é que já saltaram para a TV, daí que não temos muita alternativa : vamos esclarecer bem para evitar saias mais justas ainda! Rsssssssssssssss
      E vc está certa: não é fácil não!
      Bjsssssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  2. Oi Cléa :)
    Saudades!
    Se quiser lecionar educação sexual para crianças,está habilitada!
    Vc saiu-se muito bem!rsrs
    Bjs \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, minha querida Clauzinha!

      Saudades também, menina!
      Ah, mais uma pro meu currículo: educadora sexual! Rssssssssssssss O problema é não dar conta de segurar o riso! Rssssssssssssssss Com Esther até consegui, pelo susto que levei! Enfim...!
      Obrigada pelo "saiu-se muito bem!", fiz o que julguei que dava pra fazer! Rsssssssssssssss
      Bjssssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  3. Perfeito. Tudo. Respostas, texto e a saída de uma saia muito mais do que justa.
    Concordo com a Clau. Bora dar aulas de educação sexual!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, querida Ly,

      Está vendo no que os netos nos metem??? Rsssssssssssssssssssss
      Vai se preparando que aquela carinha deliciosa da Manu promete muitas saias justíssimas! Rsssssssssssssss
      Obrigada, benhê, pelos elogios, mas você tb ia dar show!
      Bjsssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  4. Cléa, essa criançada sai a rua com as anteninhas ligadas, captando tudo! E haja desdobre da vovó para satisfazer a curiosidade da turminha... Você foi excelente, não inventou, não mentiu, não tapeou a menina: explicou de modo claro e simples, adaptado a capacidade de compreensão de sua netinha. Realmente, está pronta para a licenciatura em Educação Sexual! rsrsrsrs

    Beijoca, com saudades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, minha querida Suzy,

      Sempre penso que criança tem que saber sempre da verdade, ainda que possamos (vez ou outra e sempre que possível) colorir essa verdade.
      Mas há coisas que têm que ser ditas com todas as letras, apenas com o cuidado de adequar a fala, claro. Tudo o que quero, nesse período da minha vida, é ser facilitadora para os meus netos, que estão passando por momentos que sei, vão marcá-los para o resto de seus dias!
      Então, que tenham também boas e divertidas coisas pra contar (com certeza, Esther vai dar umas boas risadinhas quando, já adulta, lembrar desse episódio)!
      Bjssssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  5. rsrsrs, essas crianças são muito mais ligadas do que a gente imagina !!!
    Minha mãe tinha um técnica :

    Tudo que eu perguntava ela dizia :
    -Não sei !!
    Tudo... e um dia eu perguntei e ela disse :
    _Não sei !!
    Eu subi numa cadeira, abracei ela e disse :
    -Tudo bem mãe, você não sabe nada, mas eu te amo mesmo assim...

    rsrsr, fala, não sou uma fofa desde pequena ?? rsrs

    (isso ela que contou, que sou fofa mas não prodígio né ?? não me lembrava, rsrs)

    bjus 1000 querida e um finde maravilhoso prá ti !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pepita do meu coração!

      Claro que vc é uma fofa desde pequena e, possivelmente, muito mais agora!
      Sempre fui de jogar limpo: sempre lidei com a verdade com as minhas meninas. Só na hora de dar permissão para alguma coisa, é que usava a técnica do "vou pensar"! Elas ficavam umas ariranhas! Rsssssssssssssss
      O pior é que até hoje, de vez em quando, faço isso!
      Bjsssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  6. Ô sufoco em carreirinha, Cléa.A meninada é parabólica,kkkkkk...Você foi precisa, concisa e certeira e pronto acabou-se a curiosidade.Santo sorvetinho!

    Um ótimo fim de semana aí.Bom Vê-la de volta.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calu, querida!
      Que saudade!

      Foi, de fato, um sufoco em carreirinha! Rsssssssssssssss
      Mas dei conta, melhor do que ter que correr brincando de bola ou pique! Rsssssssssssssssssssssss
      Bjsssssssssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  7. Olá amiga
    Como é bom revê-la em meus comentários, que satisfação e alegria me encanta,sempre quando leio seus comentários, sempre inteligentes, cheios de carinho, espero que o retorno seja de vez e torço para que esteja bem com você.
    Força é o que desejo

    Abraços,
    Trocyn Bão - Thiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, meu amigo Thiago!

      Bom mesmo poder visitá-lo e receber suas visitas! Uma bênção!
      Também espero pegar firme aqui! Afinal, vou me acostumando à nova realidade que Deus me presenteou!
      Bjsssssssssssss, quérido, Deus o abençoa!
      Muito obrigada!

      Excluir
  8. OI CLÉA!
    OLHA, AMIGA, TE SAÍSTE MUITO BEM, PORQUE QUANDO TEMOS FILHOS NA FAZE DAS PERGUNTAS ESTAMOS PREPARADAS PARA RESPONDÊ-LAS, MAS COM OS NETOS, REALMENTE NOS PEGAM DE SURPRESA.
    COMO O MEU NETO ESTÁ COM 5 AOS VOU COMEÇAR A ME PREPARAR PARA TER AS RESPOSTAS CERTAS E ME SAIR TÃO BEM COMO TU.
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida amiga Zi!

      É, na época dos filhos a gente vai se preparando, conversa com uma amiga, conversa com outra, lê algum livro ou revista que trate do assunto.
      Mas, o tempo passa e já não esperamos ser requisitadas para tal! Rssssssssssssssssssssssss Prepare-se mesmo, porque sempre vem um "chumbo grosso" pela frente! Rsssssssssssssssss
      Bjsssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  9. hahahaha, que saia justa! Olha, para os meus filhos não tive problema algum, aprenderam no colégio e trouxeram pra dentro de casa, aí misturamos tudo, e foi como Deus quis! E sem traumas. Mas eram meus filhos, não tinha ninguém no meio para me ditar as regras como deveria ser a explicação. Se fossem netos, aí eu pisaria em ovos por causa da mãe e pai deles...No caso meus filhos, mas ainda não sou avó. Mas você se saiu ótima! Cá com meus botões, eu dei boas risadas, o negócio parecia que não ia parar...

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Taís!

      Foi isso mesmo: parecia que não ia parar! Rssssssssssssss Como disse a Calu, foi de carreirinha!
      De fato, com nossos filhos a história é nossa, com netos muda de figura!Mas não tive alternativa, tinha que resolver o problema naquela hora! Adiar pra quê? Depois conversei com a mãe que arregalou os olhos e disse apenas "Ai, meu Deus, essa vinda pro Rio de Janeiro está mudando tudo o que pensei!"!Rsssssssssssssss
      Bjsssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  10. Oi Cléa, saudade também! obrigada por estar comigo. Qualquer hora apareço para ler suas histórias, sempre muito bem escritas. Ando numa fase que não posso me dar ao luxo de parar para ler nada, só trabalho.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Helena!

      É, pelo que andei lendo no seu blog a vida por aí está corrida!
      São fases, depois acalma e depois ferve novamente! Rsssssssssssssss
      Disso é feita a vida, graças a Deus!
      Ainda assim, generosa e delicada, deu um pulinho até aqui!
      Obrigada!
      Bjssssssssssss, quérida, Deus a abençoa!

      Excluir
  11. Oi Cléa, é a Vi, fiquei imaginando o churrasco, lembrei de um maravilhoso, na praça do Jaçana, conhece Jaçana? Do Adoniram Barbosa, moro em Jaçana, se eu perder esse trem.., pois é, aquele churrasco era bom pra mais de metro.
    Educar filhos esta cada vez mais difícil, são muitas informações, e de diversas fontes,e ninguém tem certeza, qual a melhor maneira de faze-lo, as vezes avalizamos nosso comportamento, nossas ideias, sobre experiencias que tivemos ou de nossos pais e familiares, outros avalizam através de profissionais da área medica, mas só o tempo vai mostrar para gente se deu certo ou não, se funcionou ou não,se foi a melhor forma de fazer, até porque cada ser humano é individual, pode ser que dê certo com uma pessoa um determinado método e com outro não..complicado, o ser humano é muito complexo.
    Mas ter crianças por perto é sempre revigorante, não é?
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
  12. Oi Cléa, é a Vi,eu pensando, vou tomar um chá com a Cléa, ver uma historia nova, porque gosto muito de ler as historias da Cléa, e cadê?
    Vou embora, sem chá, sem biscoitos..e sem suas magnificas historias..
    Mas eu sei, que cuidar de criança toma todo nosso tempo.
    Uma semana abençoada, beijos,Vi

    ResponderExcluir
  13. Ola´amiga
    Então como tu está ?
    Venho desejar muita paz, amor, felicidades, pra ti e todos os seus

    Abraços,

    Trocyn Bão - Thiago

    ResponderExcluir
  14. Oi Cléa!!

    Dando um passeio pela blogosfera, eis que me deparo com uma história hilária, divertidíssima, do jeito que eu gosto!! Salvou meu domingo feio e chuvoso! rsrsrsrsrs!! Rindo litros eu me pergunto num lamento: por que não vim aqui antes?... E me respondo: porque sou uma blogueira ‘meia-boca’ rsrs. E pela data da tua postagem, me parece que temos algo em comum rsrs.

    Olha, adorei, adorei, adorei!!! Identifico-me com pessoas bem humoradas, alto astral, que sabem sair das saias-justas sem perder o rebolado, e ainda de quebra, diverte os amigos.

    Lembrei-me do primeiro palavrão que meu filho disse. Eu, imediatamente o repreendi: “Com quem vc aprendeu isso, moleque?”. E ele respondeu: “Com vc” kkkkkkkkk

    Meu sobrinho certa vez fez a mesma pergunta que sua netinha ao meu pai (com o equivalente feminino). Justo ao meu pai que nunca disse um palavrão na vida!! Ele fugiu da resposta e mandou o neto ir perguntar ao pai dele rsrs. Anos depois, meu pai contou isso ao meu marido, e foi assim que ficamos sabendo rsrs.

    Maravilha!!! Adorei cada linha!! Perdoe-me pelo comentário extenso, mas não resisti!!

    Bjokas, linda semana procê!!

    ResponderExcluir
  15. Amore, vamos parar de ficar só naquele facebooook e vamos fazer um post prázamigas ???
    rsrrsrsrs...

    Acho que vc nem acredita que tá lendo isso né ??? rsrrsrsrs

    Bjus 1000 lindona

    ResponderExcluir
  16. Boa noite amiga Cléia!
    Delícia de texto! Não tive convivência com avó, fiquei com inveja da sua neta rs. Não sei se sabes, tenho um filho temporão de 08 aninhos, está na fase que as perguntas não tem fim... Têm coisas complexas de se responder, mas o ideal é ser simples direto e honesto, amei a sua postura diante da sua neta.
    Tenha uma semana luz!

    Bjo e ternuras!!!

    ResponderExcluir
  17. Nossa ser avó é uma missão,quando sobra para nós ter que explicar as coisas banais tudo bem ,mas na hora que entra essa parte sexual é uma saia justa pois já tivemos que explicar para nossos filhos...rsrsrs.....
    Minha querida minha casa está de porta abertas para vc é não é da boca para fora ,moro em Paranapanema ,a 250 km . de SP.....quando quiser é só avisar!!Será um enorme prazer.....e obrigada pela visita e palavras carinhosas...
    bjjss
    Mara Lúcia

    ResponderExcluir
  18. Oi Cléa, é a Vi, cadê as suas historias?
    Estou com saudades.
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  19. Cléa querida, saudades de voce. Vim deixar meus votos de um Feliz Natal e um maravilhoso Ano Novo, repleto de paz, saúde, realizações, e alegrias junto aos seus familiares. Que 2014 seja magnifico para todos nós. Beijinhos. Até 2014 amiga

    ResponderExcluir
  20. Dodoquinha querida, já já vai bater uma ano sem postagens, é isso mesmo produção ??

    Vamos voltar pro bloguito, vamossssssssssssssssss !!!

    Pepa, pressionando, srrsrsrs

    Bjus 1000 querida e uma semana linda prá ti

    ResponderExcluir
  21. Postagem, postagem, postagem !!!
    Pepa, se manifestando, srrsrsrsrs

    Bjus 1000 querida e obrigada pelo carinho de sempre !!!

    ResponderExcluir
  22. Olhaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa 1 ano já , srsrrssr

    Bjus 1000 queridona

    ResponderExcluir
  23. Querida Cléo, saudades de vc. Vim deixar uma mensagem e vi que a 1 ano atrás estive aqui deixando minha última mensagem, e la se foi mais um ano. Vim novamente deixar meus votos de um Feliz Natal e um Ano Novo Maravilhoso com muita luz, paz, saúde e grandes realizações a você e toda sua família. Beijinhos. Até a volta. Até 2015

    ResponderExcluir

Muito obrigada por participar do meu blog com o seu comentário.
Bjssssssssssssssssssssssss