quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Do you speak english?



       
        Oh, my God! Como quis saber inglês um dia!!! 
      Vocês não têm idéia (ou têm?) de como me senti no primeiro dia de aula, no antigo ginásio, em que teria Inglês como uma das disciplinas! Quando o sinal tocou avisando que teria a troca de professor e pelo horário, que já havíamos recebido, seria a tão aguardada aula, meu povo! O que era aquela zoeira toda dentro da minha caixa do peito? rssssssssssss Era um baticum descompassado, uma vontade de ficar em pé (quase aplaudir!), uma inquietação pelos dedos, mãos e braços, um semi-sorriso na boca querendo virar risada, ah, vocês sabem como é quando queremos muito uma coisa, principalmente se somos pobres mortais infantis com onze anos! Era assim que eu estava há... quarenta e sete anos atrás, prontíssima para a minha primeira aula de Inglês!
      Meu primeiro professor da língua tão ansiada chamava-se Laerte e devia ter na ocasião uns trinta, trinta e alguns anos, penso eu. Era muito alto e magro, bem branquinho e seus cabelos escuros pareciam espinhos: tudo espetadinho apontando o céu! Curioso era quando ele demorava um pouco mais da conta para cortá-los: eles cresciam e iam envergando feito um matagal com a força do vento. Não era de conversa com as alunas. E nem poderia ser, coitado: num colégio de freiras com turmas só de meninas! Aprendi com ele a primeira música estrangeira (se não contar, claro, La Violetera, que aprendi uns pedaços na convivência com D. Teresa, a bela vizinha espanhola!): MY BONNIE LIES OVER THE OCEAN!
       No terceiro ano ginasial mudamos de professor. O novo teacher  tinha uma voz poderosíssima! O que era aquele vozeirão? Maravilha! Ele era feioso: meio calvo, embora relativamente jovem, e tinha um nariz aquilino caprichado que não combinava exatamente com a sua boca, que era pequena e parecia um bico de periquito. Na verdade, no início dos meus treze anos, eu já espichava os olhões para as figuras masculinas - e, com certeza, esta minha descrição, desse homem, deve ter a ver com os hormônios que pipocavam nessa ocasião. Com ele aprendi LOVE IS BLUE e deliciei-me em divagações  onde os garotos mais lindos se apaixonavam por mim! No ano seguinte, no quarto ginasial (hoje o nono ano e até há pouco tempo atrás, oitava série), nos ensinou YESTERDAY! Aí foi o céu! Aquela voz profunda e aquela música me faziam flanar!
       Bem, mas aprender, aprender, falar, falar e escrever... quase nada, né? Só a bobeirinha do  DO YOU SPEAK ENGLISH? e outras frasesinhas curtas e babacas, esta é que era a verdade. Engana bobo. No caso, boba: eu. E fui fazer Escola Normal, imaginem! Aí é que não tinha Inglês nenhum! Curso particular? Hellooo!!!  No subúrbio, não importa se do Rio de Janeiro, fins da década de 60 e início da década de 70? Além de não ter por aqui, meu povo, sou filha de barbeiro - que naquela época estava muito mal das pernas porque os rapazes deixaram cabelo e barba crescerem, lembram? Tinha dinheiro para o curso? Never!
       Foi nessa  época, no primeiro ano do Normal, que conheci meu atual marido. E, no dia em que fomos apresentados, eu (que já havia ouvido falar dele maravilhas) queria impressionar, claro! E, nervosa, coração aos pulos (afinal ele era tudo aquilo que haviam me falado e mais alguma coisa), querendo bancar a sabidinha (tinham-me dito que o cara era super inteirado dos fatos e acontecimentos), lasquei um Paul "Maquitárnei"! É, falei assim mesmo: MAQUITÁRNEI, o Paul saiu certo. Aí,  o fariseu simplesmente me corrigiu!!! Acreditam? Pois acreditem: foi o que esta criatura encantadora fez comigo há quarenta e três anos atrás! Ele jura, de pés juntinhos, que não lembra de tal episódio e que foi uma besta se o fez! Claro que fez!
       Mas esse não foi o meu primeiro pecado anglo-saxão. De jeito nenhum! O segundo, não menos cruel e vergonhoso, foi a minha primeira ida, sozinha, às Lojas Americanas. Isso na época em que lanchar nas Lojas Americanas (sim, elas tinham lanchonete, também!) era um programão: comer um mixto quente e tomar um refrigerante, saborear uma banana split, sorver um ice cream soda ou degustar um enorme sundae. E foi no sundae que me ferrei! Simplesmente cheguei no balcão e pedi à atendente, em alto e bom som, um SUNDAE mesmo, falei como estava escrito, guiei-me apenas pela foto, que achei divina, no cartaz e li! A mocinha olhou-me com desdém e repetiu, também em alto e bom som, com a pronúncia correta. Ainda bem que já sou pequena, não tinha como diminuir mais de vergonha!
       E a besteira mais recente foi ontem, há pouco mais de vinte e quatro horas atrás. Faltou luz no prédio em que moro. O meu apartamento fica no segundo andar (são dois por andar e apenas três andares, após o térreo). A jovem do apartamento trezentos e dois está grávida e, quando ouvi o barulho do carro do seu marido chegando, fiquei na tocaia para sair de lanterna na escada e facilitar-lhe a subida. Só que ele, o marido, subiu sozinho e portando uma lanterna. Sorri e falei de minha preocupação com sua esposa e seu barrigão. Rimos. Agradeceu-me a gentileza e explicou que a esposa já subira, que o celular dela tinha uma lanterninha e que ele tinha, a que segurava, guardada no carro para essas emergências. Tornei a sorrir e abri minha boquinha exibida para dizer-lhe que também tinha uma lanterna sempre em STAND UP!!! Borrei, né não? De Stand by para STAND UP, exagerei meu povo! Mas só me dei conta ao entrar, fechar a porta e rebobinar a minha tentativa de boa ação! 

       Cléa Siqueira
      

38 comentários:

  1. Oi Cléa,boa noite!!
    Ah borrou,mas que foi engraçado foi!!rsrs
    Não tem como não rir dos seus episódios.
    Gosto muito do seu jeito transparente de ser,pois conta até seus micos pra nós!
    Adorei ;)
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Clauzinha!
      Mudou a imagem! Vou ter que me acostumar! rssssssssss Velho é fogo, bem!
      Estou acostumada a vê-la na outra foto, já conheçia de longe!
      Borrei mesmo! Ainda não aprendi a droga do Inglês! rsssssssssssss E dou uma de metida, só eu, né não?
      Não tenho vergonha de falar das minhas mancadas, até brinco sobre e com elas. Que jeito? Já aconteceram! rsssssssssssss Além do que, penso, se comto, se falo, se brinco sobre elas, perdem o peso e a importância!
      Bjssssssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  2. Cléa minha querida, imagine a cena toda vez que venho aqui ao seu cantinho: A minha turma vendo Jornal Nacional na sala, dois no sofá grande, um em uma poltrona, outro em outra poltrona e eu na mesa da sala junto com eles no computador. Eles, sérios, compenetrados nas noticias, derrepente, caio na risada, todos os olhos se voltam para mim, com aquelas caras de: Ta louca?? Aí, esquecem o Jornal e eu tenho que ler seu texto por que eles querem saber por que estou rindo, aí minha filha, é só risada. Adorei seu texto. Rimos muito principalmente na parte do Sundae kkkkkk. Só vc para nos fazer rir minha amiga. Esse texto me lembrou de uma frase famosa e tão babaca quanto as outras que vc mencionou aqui. The book is on the table, ave Maria qto escutei essa frase kkkk. Bjocas amiga, episódios assim jamais esquecemos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, minha querida amiga!
      Ah, é? Imagino a cena sim e como! Sou mestra em rir sozinha, aqui no computador, assustando o meu marido que não sabe do que estou rindo e sequer esperando aquela risada. Quer dizer, agora ele já não se assusta tanto, mas sempre pergunta o que foi!
      Ah, mas foi bom saber que tantos se divertiram com meus micos! rssssssssssss
      E, de fato, nunca esqueço desses episódios, foram marcantes (o de anteontem já foi para a galeria dos micos! rssssss)
      Bjsssssssssssssssssssssss, quérida!
      P. S.: The book is on the table procê tb! rsssssssssssssssssssssss

      Excluir
  3. Oi Cléa!
    rsss
    É, não passo por essas por ser muito calada, mas tenho uma frustração, não saber inglês. Acho bonito e necessário, mas nunca me interessei, há pouco tempo é que venho pensando muito nisso, no que estou perdendo.
    Tantas músicas maravilhosas, vou para os shows e só arranho poucas palavras, que tristeza.
    Você é demais mesmo, muito espirituosa.rss
    Beijinhos e um super fds!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Valéria!
      Sorte sua ser calada, tá vendo? Minha mãe dizia que em boca fechada não entra mosca! rssssssssss Já devo estar cuspindo as ditas cujas! rssssssss
      Essa coisa das músicas é que me atormentam porque gostaria de saber se a melodia que me encantou tem uma letra que diz o que senti! E como não sei, só compro a melodia, né não?
      Mas a minha vingança é que tenho duas (não apenas uma, hem? rsss), DUAS TRADUTORAS INTÉRPRETES gratuitas! Minhas fihas têm um inglês fluente e quando estou "vendo a vó na greta" peço arrego! rsssssssssssssss Quer dizer, qdo ela estão por perto!
      Bjssssssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  4. Amooo inglês. Falo o essencial.
    Mas preciso aperfeiçoar.
    Obrigada pelas visitas no Aroma querida.
    Amei seu blog.
    beijos.
    Simone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Simone!
      Meu essencial foi o que aprendi lá, "em algum lugar do passado"!
      Mas é uma língua de que gosto muito, assim como o francês (que tive aulas no 3º e 4º ginasial).
      Gosto de visitar o seu blog, já o faço há um bom tempo!
      Bjsssssssssssss, quérida!
      P.S.: Seu comentário veio repetido, portanto vou excluir a repetição, ok?

      Excluir
  5. Oi Cléa, que blog delicioso! Estava perdendo um blog desses! pois adoro esse tipo de blog, bem escrito. Vou te indicar um parecido com o seu que AMO de paixão "O meu pensamento viaja".
    Filha adolescente é isso mesmo, pois vive criticando minhas roupas, mas quando procuro o meu cinto, a minha bolsa, meus colares, minhas blusas, sim aquelas que acharam tão esquisitas, estão lá, passeando nos corpinhos das encardidas!!!
    Estou te acompanhando para não perder nada, viu? Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena!
      Que bom que vc gostou do meu blog! Obrigada! E vou conhecer sim o "O meu pensamento viaja", nem duvide!
      O pior (ou melhor?) das filhas adolescentes é que mesmo depois desse tempo continuam fazendo essas mesmas coisinhas!
      E eu tb já te acompanho há um tempo, para não perder nada! rsssssssss
      Bjssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  6. Uma delícia ler suas "gafes". Quem nunca as cometeu? Todo dia tem uma...
    Quanto ao inglês, acho que foi na minha quinta-série (antiga) que tirei um "E". (Naquela época as notas eram A, B, C, D, E) que me marcou profundamente, muito, mas muito mesmo. Me lembro até o nome da professora Dona Elza. Traumatizou que até hoje não sei o "mardito".

    Adorei. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maristela querida!
      Eu então, vira e mexe tenho um mico pago! rssssssssss Às vezes fico pau da vida comigo e, na maioria já não ligo: morro de rir!
      O pior é que eu era até boazinha em Inglês, não tirava notas ruins não! Mas deu no que deu, ou seja, quase nada, nada mesmo! rsssssssssssssss
      Bjssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  7. Liga não my dear, quem nunca escorregou no inglês tem nariz de Pinóquio,rsrs
    Eu não sei porque tudo quanto é namoradinho manjava a língua.Aquele dito, o do sanduba na lanchonete, era craque, menina.Dei muita mancada, rsrsrs
    Its not mole não!
    Bjkas mil,
    Calu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha amiga, ligo não, hoje não, mas lá, na adolescência foi de matar, confesso! Fiquei remoendo a vergonha por tempos (pelo menos toda a vez que lembrava e lembrava sempre! rssss), mas hoje me divirto com as passadas e com as atuais! rsssssssss
      Boa observação essa sua sobre os namoradinhos manjarem a dita cuja pra caramba! O que seria? Síndrome do pavão? rsssssssssss É pq eles se exibiam, né não? rsssssssssssssss
      Bjssssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  8. KKKK!!!! Saudades das suas histórias...

    Nada como o tempo para aplacar nossas vergonhas e mancadas...né não?

    Abraço grande,

    Renata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida, que saudade!
      Verdade, o tempo é uma belezinha! Pra isso e pra mais um montão de coisas!
      Então, mate as saudades, amiga!
      Bjsssssssssss, quérida!

      Excluir
  9. Oi Cléa!

    Gosto muito de seu jeito despojado de escrever, revelando suas gafes com a maior naturalidade e bom humor para seu público! Claro que estou aqui rindo de seus episódios, pois graças a eles temos aqui este texto delicioso de ler! rsrsrs

    Mas, minha amiga, pelo menos você não inventou de ir pra faculdade de Inglês sem sequer saber pronunciar o nome das celebridades! Acredite, eu fiz isso! Me achava o máximo no Ensino Médio, pois adorava Inglês e me saía muitíssimo bem... mas aulas como as que você descreveu, né! Na hora da comunicação propriamente dita, em pela universidade, cadê a língua solta? Consegui fazer o fiasco de pronunciar Richard Gere errado!!! rsrsrs Confesso que o primeiro semestre foi de muito estudo e muitas lágrimas... rsrsrsrs Mas superei, estou aqui feliz da vida e formadinha em Inglês!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Suzy!
      Ah, então vc entendeu muito bem os meus fiascos! rssssssssssss
      Imagino como deve ter se esfalfado para se adequar ao grupo na faculdade: passei por isso com Desenho Geométrico na minha e, de fato, foram muito estudo e lágrimas!
      E, parabéns, vc venceu, não desistiu e esta é uma qualidade fundamental aos que seguem adiante e ascendem!
      E, ainda, melhor: quando precisar me certificar de alguma palavra que não tenho certeza, posso pedir arrego! rsssssssssssss
      Bjssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  10. Ops, o comentário anterior foi antes que eu me despedisse!

    Desejo-te uma boa semana, cheia de alegrias... e se vierem novas gafes, conta aqui pra nós, ok! rsrs

    Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem problemas!
      Nem duvide, sempre tenho uma gafe, uma história, um acontecido pra contar! rsssssssssssss
      Que a sua semana tb seja boa e cheinha de alegrias!
      Bjssssssssssssssss

      Excluir
  11. rssrsrs, mas quem nunca ??
    Eu sou boa de ouvido, então se ouvir o certo, pronuncio certo, mas para ler é um ó, rsrsrs

    Stand up é a comedia...de repente o cara achou que vc estivesse fazendo uam piadinha, rsrsrs

    Adoro suas histórias !!
    Uma delícia !!

    Bjus 1000 querida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha Pepita querida!
      Deus a ouça! Que o cara tenha pensado que fiz piada! rssssssssssss Gostei da idéia!rssssssssssssssssss Vai que cola? rsssssssssss
      Bom, o outro dia li em... acho que era coreano, acredita? rssssssss Abri uma página de artesanato que (pareceu-me) ser em tal língua, daí que nem titubeei: comecei a ler do meu jeito e em voz alta! Eu e meu marido rimos pra chuchu! Então concluo que posso não ter um bom ouvido como vc, mas leio que é uma beleza! rsssssssssssss
      Bjsssssssssss, quérida!

      Excluir

  12. rsrsrsrsrs...

    Você é mesmo formidável em seus relatos. Adorei ler.
    Sempre adorei inglês e cheguei até a lecionar a disciplina. Não há quem não cometa equívocos com a língua.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vera!
      Obrigada por ter gostado do meu relato! rsssssssssssssss
      Também sempre adorei inglês, mas não dei conta de saber mais nada além do que aprendi " em algum lugar do passado"! rssssssssssssss
      Parrabéns a vc que foi mais adiante, até lecionou a belezinha! Bom saber! Vai que tenho alguma dúvida! rsssssssss
      Bjsssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  13. rrsrsrsr, uma delícia de texto, amiga! Estou eu aqui rindo e lembrando das minhas. Mas o melhor da vida é podermos rir de nós mesmos, é delicioso. Você, no seu relato me levou a recordações incríveis do meu inglês! Não entendo até hoje por que razão nós temos de acertar o nome dos forasteiros, dos gringos todos, quando eles chamam a gente por nomes nunca antes visto nesse país!

    Grande beijo e com muita certeza voltarei para ler seus tri de encantadores textos. E conte mais de suas gafes, são geniais!
    Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Taís, que bom que gostou do texto! Obrigada!
      Volte mesmo, Taís, volte sempre que sempre tem uma historinha que, na maior parte das vezes, é engraçadinha! rssssssssss
      Penso que devemos guardar a seriedade e/ou tristeza, para quando não der mmesmo para desfrutar da alegria, da paz, da felicidade. Enquanto se pode escolher, vamos escolher a diversão, né não?
      Bjsssssssss, quérida!

      Excluir
  14. Oi Cléa , é a Vi, sou pior que você, e olha que fiz alguns meses de inglês, mas sempre estou falando em outra língua desconhecida, como quando a gente era bem criança,kkk
    Claro que as vezes a gente fica sem saber onde enfiar a cara, por isso evito sair me enrolando por ai.
    Maridão pensou que ia escapar de você?
    Gamou no seu jeito sexy de falar inglês,kkkk!
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vi, meu docinho, viu só o que arrumo? rssssssssssssss
      Ainda bem que vc é mais esperta e não sai se enrolando por aí feito eu! rsssssssssssssss
      Viu só? Agarrei o fariseu! Quem mandou me corrigir, né não? rsssssss
      Se o jeito é sexy não sei, mas que é um "ó" isto é! Um terror! rsss
      Bjssssssssssssssss, quérida!

      Excluir
  15. OI CLÉA!
    TU ME MATAS DE RIR! ( é que tens uma veia engraçada mesmo)
    MAS POSSO RIR DO INGLÊS TAMBÉM?
    O QUE ADORO EM TI, É ESTA FACILIDADE QUE TENS, DE RIR DE TI MESMA E COM ISSO NOS ALEGRAS E MUITO.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  16. Minha Zi, pode rir do que quiser!!!
    É disto também que se faz a vida: de boas risadas!
    Deixemos para nos entristecer quando não tivermos outra alternativa, né não? Enquanto der, soltemos nossas risadas, partilhemos nossas alegrias e vamos que vamos!
    Bjssssssssssssss, quérida e obrigada!

    ResponderExcluir
  17. Oi Quéridona!
    Gosto de ler seus posts. Muito. Me lembra a Gostosura, rsrs.
    Lembro que no ginásio, o inglês era a aula mais aguardada e como eu gostava!
    Mas também não me aprofundei muito, só as poucas aulas no ginásio e depois no colegial. O mínimo pra saber ler instruções num produto importado, entender uma ou outra canção, rsrs.
    Gafes em público, não me lembro. Mas cantando inglês em casa, vishe. Imagina né?
    Quanto ao Stand up, acho que o vizinho nem percebeu... relaxa.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk fica fria é um errinho de nada. Se eu te contar as minhas gafes vai chorar porque que não sei transmitir com tanto humor.

      Bjs

      Excluir
    2. Oi, Lourdoca querida!
      Fiquei curiosa! rsssssssssssssss Conta, conta, conta!!!
      Penso que qualquer um de nós dá as suas mancadinhas, né? Mas se der pra divertir, valeu a pena! Eu sempre rio das minhas (quer dizer, agora, quando era jovem não: ficava passada!) e conto para divertir tb! Ah, rir faz tão bem, né não?
      Bjsssssssssssssssssss, quérida!

      Excluir
    3. Gostei do "Quéridona"! Quer dizer, amei, tá? rssssssssssss
      Bem, menina, com o Inglês do ginásio e do colegial vc lê instruções num produto importado???? GÊNIA!!! rsssssssssssss Eu pego uma palavra ou outra, mas não o suficiente para entender a explicação! rssssssssssssss
      Ah, cantando em casa, seja até mesmo em nossa língua, eu sou um desassossêgo: faço cada parceria que só vendo!!! rsssssssssssss
      Já relaxei!
      Bjsssssssssssss, quérida!

      Excluir

  18. A resposta ao comentário da Maria/Andréa saiu depois da resposta ao comentário da Lourdes: falha técnica que não consegui consertar. Desculpem-me! Bjssssssssssssssssss, quéridas!

    ResponderExcluir
  19. Minha querida,

    Hoje mesmo eu estava conversando com meu neto sobre isto...ele detesta inglês e fez um destes cursos existentes por aí que não cooperam nem um pouco nesta questão de fazer os alunos gostarem do que estão "aprendendo".Minha irmã foi professora de Inglês a vida inteira e sempre os seus alunos apaixonados pela lingua.Deu aula em Jacarepaguá,em Laranjeiras,em Ilha de Guaratiba e,sempre,com a maior dedicação.Ensinava as músicas também,mas trabalhava as dificuldades do idioma,em cima das letras e todos aprendiam muito.

    Gosto da maneira bem humorada que você tem ao contar os causos,sabia?

    Bjsssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Leninha!
      Mas aí é que está! O ensino de uma língua não pode ser de qq forma, né não? Tem que ter dedicação dos dois lados: do professor e do aluno!
      Não adianta acharmos que só pq estamos num curso já iremos aprender! Temos que estudar mesmo, com afinco, com dedicação! Mas, enfim!
      Rir é o melhor remédio, Leninha! Por isso procuro encarar as coisas com bom humor e, se der, umas boas risadas!
      Bjssssssss, quérida!

      Excluir
  20. Minha amiga.
    Agradeço mais uma passadinha sua no meu site e venho aqui retribuir esse carinho e outra vez lembrá-la que ainda nessa semana teremos surpresa no meu site, se puder fique atenta

    Abraços,
    TioSul

    ResponderExcluir

Muito obrigada por participar do meu blog com o seu comentário.
Bjssssssssssssssssssssssss